Slide
Sobre a Campanha
Sobre a Campanha
Sobre a Campanha

“Viver depois do Cancro da Mama” é a primeira campanha de sensibilização da Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS) focada inteiramente nas necessidades, cuidados e sensibilidades na vida de quem sobreviveu a esta doença.

“Viver depois do Cancro da Mama” é a primeira campanha de sensibilização da Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS) focada inteiramente nas necessidades, cuidados e sensibilidades na vida de quem sobreviveu a esta doença.

“Viver depois do Cancro da Mama” é a primeira campanha de sensibilização da Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS) focada inteiramente nas necessidades, cuidados e sensibilidades na vida de quem sobreviveu a esta doença.

A SPS quer continuar a apoiar as sobreviventes, através da partilha informação útil e relevante sobre como viver depois do cancro da mama e a incentivar estas pessoas a aproveitar a vida ao máximo. Durante o mês de outubro de 2021, esta campanha disponibiliza informação e outras ferramentas úteis para que cada sobrevivente possa conquistar a sua qualidade de vida, através de uma abordagem focada em quatro eixos fundamentais para uma vida saudável e em pleno: nutrição; exercício físico, sexualidade e relaxamento/saúde mental.

 

Nas palavras dos vice-presidentes da SPS, Gabriela Sousa e José Carlos Marques,
“Há muito que a SPS tinha a ambição de criar algo em prol da qualidade de vida das sobreviventes de cancro da mama. Na SPS, todos nós estamos diretamente envolvidos no acompanhamento destas doentes e conhecemos, de forma muito próxima, as suas necessidades e desejos para reencontrar a motivação e a alegria pela reconquista da normalidade após a doença. Esta campanha é dirigida a essas doentes, aos seus familiares e a todos os que se viram, de forma ou de outra, atropelados por esta doença”.

E como quem sobrevive tem de ser ajudado e sentir-se apoiado, a SPS conta nesta campanha com o contributo de quatro figuras públicas sobreviventes de cancro de mama, que partilham aqui a sua história e como encontraram o seu caminho para reaprender a viver.