Reabilitação sexual: “Não tenha vergonha em falar da sua sexualidade”

10 de Janeiro, 2023

A falta de desejo é a principal consequência do cancro da mama, verificando-se uma elevada taxa de absentismo e desinteresse pela sexualidade. A Dr.ª Lúcia Monteiro, diretora do Departamento de Psiquiatria no Instituto Português de Oncologia de Lisboa, destaca que, tal como a reabilitação profissional, familiar, da imagem corporal e da energia são importantes, também a reabilitação sexual é um passo essencial para potenciar a sexualidade.

Quando a retoma da sexualidade não se efetua de forma espontânea no casal, a ajuda profissional deve ser considerada. “Se na cama tiverem problemas, porque não vos apetece ou perderam o desejo ou se sentam indesejadas, peçam ajuda aos vossos médicos com quem tenham confiança e privacidade para poder desabafar este problema.”

“Não tenham vergonha em falar da sua sexualidade, porque são tão importantes e dignos quanto outros problemas médicos, postos em contexto médico.” No entanto, “a pessoa não está capaz de iniciar nenhuma terapia sexualmente se não está em saúde mental”, considerando-se que 30 % das doentes sobreviventes apresentam psicopatologia.  “Se tem insónias, se está deprimida ou tem pensamentos de recaída, peça ajuda ao médico de família ou ao oncologista.”

Por fim, a psiquiatra apela: “Continuem a contactar com as equipas, não escondam os seus terrores, medos, deficiências, necessidades; todas têm direitos, o direito ao tratamento, à reabilitação nas várias áreas, na área da saúde mental e da sexualidade. Daremos o nosso melhor para vos ajudar.”